Reino Unido faz alerta à OMS sobre caso raro de varíola dos macacos

Source: United Nations – in Portuguese

Headline: Reino Unido faz alerta à OMS sobre caso raro de varíola dos macacos

Organização Mundial da Saúde informou que doença foi diagnosticada numa pessoa que viajou para a Nigéria e retornou; paciente foi imediatamente colocado em isolamento para evitar novas contaminações. 

Um caso raro de varíola dos macacos foi notificado pelo Reino Unido numa pessoa que visitou a Nigéria, na África, e depois voltou à casa. A informação foi enviada à Organização Mundial da Saúde, em 7 de maio. 

A pessoa, cujo nome não foi divulgado, registrou o que pensou ser apenas uma irritação cutânea em 29 de abril. Dias depois, essa mesma pessoa passou pelos estados de Lagos e Delta, na Nigéria. Em 4 de maio, foi feito o retorno para o Reino Unido, quando já foi dada entrada no hospital britânico. 

Exames de laboratório 

OMS

Cientista testa amostras em um laboratório em Serra Leoa

A OMS informou que por causa do histórico de viagem e dos sintomas apresentados, os médicos desconfiaram que poderia ser um caso de varíola dos macacos e agiram rapidamente isolando o ou a paciente. Os exames de laboratório confirmaram a suspeita, em 6 de maio, pela Agência de Segurança da Saúde britânica. 

Cinco dias depois, foi iniciado um rastreamento das pessoas que tiveram em contato com o paciente tanto nas instalações de saúde, como nos locais visitados e também no mesmo voo da Nigéria para o Reino Unido. Mas ninguém apresentou sinais da doença até agora. 

Desde que a pessoa entrou em isolamento, o risco de transmissão passou a ser mínimo. Mas como a fonte de contaminação na Nigéria ainda não foi estabelecida, existe a chance de que outras pessoas possam ser infectadas no futuro. 

Florestas 

Foto: Unsplash/Andres Medina

Macaco na floresta Amazônica do Equador

A varíola dos macacos é uma doença silvestre com infecções humanas bem acidentais, que ocasionalmente ocorrem, mas em partes de florestas do oeste e do centro da África. 

O vírus pertence à família do ortopoxvírus. A doença pode ser transmitida pelo contato com as fezes do animal. O período de incubação é de seis a 13 dias, mas pode ser alterado para cinco a 21 dias. A varíola dos macacos geralmente acaba num período de duas a três semanas. 

Em alguns casos, os sintomas podem ser leves ou severos, mas as lesões costumam ser dolorosas e as pessoas têm muita coceira. O reservatório animal permanece desconhecido, mas calcula-se que seja entre roedores. 

Os fatores de risco são os contatos com animais mortos através de atividades como caça ou consumo de carne de caça. 

Crianças e bebês 

Pnud/Danielle Villasana

OMS alerta para riscos em crianças

Existem duas classes do vírus da varíola dos macacos. Uma da África Ocidental e outra da Bacia do Congo, que fica na África Central. Essa última classe pode ser mais agressiva em certos pacientes.  

Segundo a OMS, a taxa de casos fatais para o tipo de varíola dos macacos no oeste africano é de 1%. Mas no caso da classe da Bacia do Congo, a possibilidade de morte pode chegar até 10%.  

As crianças também estão sob maior risco, e a varíola dos macacos durante a gravidez pode levar a complicações, doença congênita ou levar à morte do bebê. 

Os casos mais suaves podem passar despercebidos e ser um risco para a transmissão de pessoa para pessoa. Existe uma pequena probabilidade de baixa imunidade para a doença naqueles que viajam e que foram expostos à doença no oeste e no centro da África. E ainda que exista uma vacina aprovada contra a varíola dos macacos, e que a imunização contra a varíola normal ajude a proteger, as doses não estão disponíveis com facilidade em todo o mundo.  

Vacinas não estão à disposição de todos 

Um outro problema: pessoas abaixo de 40 ou 50 anos não têm mais a proteção obtida com os programas anteriores de vacina para a varíola. 

A OMS informou que após ser detectado o caso, o Reino Unido montou uma equipe de gerenciamento do incidente para fazer o rastreamento dos contatos do indivíduo contaminado. 

Ninguém apresentou sintomas até agora, mas todos estão sendo observados por 21 dias após a exposição. Está sendo oferecida vacina a quem teve contato com a pessoa infectada. 

As autoridades na Nigéria foram informadas do caso.  

Nigéria tem casos em 32 estados 

Segundo a OMS, já houve sete casos de varíola dos macacos no Reino Unido. Todos têm ligação de viagem com a Nigéria. No ano passado, houve dois casos separados nos Estados Unidos, de origem nigeriana. 

Desde 2017, a Nigéria tem notificado infecções deste topo. Até 30 de abril deste ano foram 558 registros de suspeitas em 32 estados nigerianos. 

A OMS pede que todos os casos sejam notificados e que as pessoas contaminadas entrem em isolamento imediato. 

A agência da ONU não recomenda nenhuma restrição de viagem ou negócios entre a Nigéria e o Reino Unido neste momento. 

MIL OSI