O Maior Evento da ?frica Ocidental retorna para sua segunda edi??o de 1 a 2 de setembro de 2022

MIL OSIDAKAR, Senegal, 19 de janeiro 2022/APO Group/ —

Sob o patrocínio de S.E. Macky Sall, Presidente da República do Senegal, a MSGBC Oil, Gas & Power voltará a ter lugar em Dakar, Senegal, com o evento a servir de catalisador para o investimento e desenvolvimento multissetorial em 2022; Representando o evento de energia oficial da região, a conferência tem o orgulho de receber ministérios e funcionários de alto nível de toda a região; A MSGBC Oil, Gas & Power 2022 será desenvolvido em parceria com a petrolífera nacional do Senegal Petrosen, o Conselho Empresarial de Energias Renováveis do Senegal e a COS-Petrogaz, inaugurando uma nova era de crescimento para a região.

A Energy Capital & Power (ECP), em parceria com a Petrosen, o Conselho Empresarial das Energias Renováveis do Senegal e a COS-Petrogaz, tem o orgulho de anunciar o regresso da conceituada conferência e exposição MSGBC Oil, Gas & Power. A decorrer de 1 a 2 de setembro de 2022 em Dakar, a segunda edição do principal evento de energia da região representa a melhor plataforma para a troca de informações sobre o setor energético e o mercado atual.

Expressando o calibre do evento, o apoio e participação dos ministros regionais posicionou a conferência como a plataforma mais adequada para os stakeholders da energia se envolverem e assinarem acordos, uma tendência que reforça em 2022. Além dos executivos de alto nível, a agenda de 2022 e o programa de temas serão relevantes para todas as partes interessadas em toda a cadeia de valor.

Os delegados podem esperar uma série de sessões técnicas e estratégicas, debates, sessões de matchmaking com investidores, bem como entrevistas ao vivo no palco com profissionais do sector energético. Tocando em temas que vão desde o financiamento do setor de energia; cooperação regional para o desenvolvimento energético e promoção de sinergias transfronteiriças; os jovens na indústria de energia MSGBC; as mulheres na energia; e os mais recentes desenvolvimentos em exploração e novas oportunidades de rondas de licitações, para citar alguns, a conferência irá concentrar-se em garantir que o desenvolvimento de recursos naturais continua a traduzir-se em crescimento económico e regional sustentável de longo prazo.

A região MSGBC é única, pois possui recursos significativos em vários setores. Na frente do petróleo e do gás, a região é considerada nos estágios iniciais de um boom de hidrocarbonetos, tendo evidenciado uma sucessão de descobertas de classe mundial, como o campo transfronteiriço de GTA e o campo de petróleo Sangomar. Descobertas notáveis incluem as descobertas de Yakaar-Teranga e BirAllah, operadas pela BP, ao largo do Senegal e da Mauritânia, que foram avaliadas para conter até 85 trilhões de pés cúbicos combinados de gás natural. Adicionalmente, o poço Bambo-1 offshore da Gâmbia, operado pela empresa de exploração de petróleo e gás FAR, deverá conter uma prospecção de 1,1 mil milhões de barris de petróleo enquanto na Guiné-Bissau, a descoberta de Sinapa, também operada pela FAR, apresenta contingentes recursos de cerca de 72 milhões de barris de óleo leve recuperável. Embora exploradores independentes tenham sido muito bem-sucedidos em revelar o potencial da bacia, os líderes regionais continuam focados em garantir que as descobertas de classe mundial se traduzam em desenvolvimentos sustentáveis.

Falando durante a edição de 2021 do evento, S.E. o Presidente Macky Sall afirmou que “alguns dias após o fim da COP26, devo também chamar a atenção para a decisão tomada por alguns países de interromper o financiamento externo aos combustíveis fósseis, incluindo o setor de gás , mesmo com a continuidade do uso de outras fontes de energia ainda mais poluentes. Numa altura em que vários países africanos se preparam para explorar os seus significativos recursos de gás, o fim do financiamento ao setor do gás, sob o pretexto de que o gás é uma energia fóssil, teria um custo fatal para as nossas economias emergentes.”

As perspectivas regionais identificadas têm o potencial de transformar tanto a região quanto o continente em geral, inaugurando uma nova onda de desenvolvimento e crescimento socioeconómico acelerado. Abrangendo uma área de 600.000km2, que se estende desde a Zona de Fratura do Cabo Branco, ao largo do norte da Mauritânia, até a Zona de Fratura da Guiné, situada ao largo da costa de Serra Leoa, essas descobertas fizeram com que a região se tornasse um hotspot de desenvolvimento, colocando-a perto do topo da lista como uma das oportunidades mais atractivas de África para exploração e desenvolvimento.

“A parte central de nossos esforços em Sangomar está estruturada em torno de nossa grande campanha de perfuração. O FPSO Ocean black rhino, operado pela Diamond Offshore, está a perfurar neste momento sobre o que é uma das maiores campanhas de perfuração do mundo hoje em dia”, afirmou Andy Demetriou, diretor administrativo da Woodside Senegal.

“O gás natural tem um papel fundamental na transição energética, bem como nas ambições de geração de energia do nosso país, particularmente dentro da nossa estratégia de gás para energia”, disse Massaer Cisse, vice-presidente da BP e líder do país para o Senegal.

Além de petróleo e gás, a região é considerada uma das mais ricas em recursos renováveis e capital humano, oferecendo oportunidades lucrativas em setores associados, como silvicultura, agricultura e mineração. Projetos de grande escala, como a central hidroelétrica de Souapiti de 450 MW na Guiné Conakry e o Parque Eólico Taiba N’diaye de 158 MW no Senegal enfatizam o potencial renovável da região e, enquanto as partes interessadas se movem para diversificar o mix de energia e aumentar o investimento verde, a MSGBC Oil, Gas & Power 2022 servirá para potencializar esta tendência.

Ao utilizar seus recursos significativos de capital natural e humano, a região do MSGBC está pronta para conduzir-se a uma nova era de crescimento do setor de energia, ao mesmo tempo em que se esforça para uma transição energética justa. Após a edição de 2021 da conferência e exposição – que se esforçou para aumentar o investimento em toda a cadeia de valor da energia e em setores que vão desde os hidrocarbonetos, às energias renováveis, à infraestrutura e à geração eléctrica – a MSGBC Oil, Gas & Power 2022 apresentará ministros regionais, delegados de alto nível e líderes de negócios de energia de topo, criando a oportunidade para a assinatura de acordos para o desenvolvimento regional dentro da bacia. Abrangendo os setores upstream, midstream e downstream, o evento visa promover a capacitação e motivar a transferência de habilidades e tecnologia para a região.

“Embora tenhamos que ser capazes de nos adaptar e reduzir as emissões de gases de efeito estufa, a injustiça climática que enfrentamos hoje faz-nos acreditar que devemos fazer o nosso melhor para nos voltarmos para a justiça social, caso contrário, corremos o risco de desestabilizar o mundo. ”, afirmou SE Aïssatou Sophie Gladima, Ministra do Petróleo e Energias do Senegal, concluindo que “o mundo precisa trabalhar de mãos dadas para crescer, desenvolver e ser estável”.

No geral, a cimeira é o único evento dedicado ao desenvolvimento energético na Mauritânia, Senegal, Gâmbia, Guiné-Bissau e Guiné-Conakry, demonstrando o compromisso de longa data da ECP em atrair investimentos numa das regiões mais interessantes de África. Construído num cenário de descobertas de petróleo e gás consideráveis e desenvolvimentos de projetos associados multissetoriais de grande escala, a MSGBC Oil, Gas & Power 2022, sob os auspícios do Governo do Senegal, retornará a Dakar em setembro de 2022 para aumentar ainda mais o investimento na bacia, enfatizando o sucesso da região em relação à cooperação e integração transfronteiriça.

Durante a edição de 2022, palestrantes e delegados adquirirão conhecimento, trocarão ideias, desenvolverão estratégias e beneficiarão de informação crítica partilhada por colegas da indústria sobre questões atuais do setor de energia. A MSGBC Oil, Gas & Power 2022 atrai um público diversificado e será fundamental para o futuro energético e económico da região.

“A MSGBC Oil, Gas & Power é a única conferência de energia dedicada a toda a região MSGBC. Durante a edição de 2022, os delegados podem esperar um forte alinhamento de painéis de discussão focados no setor, experiências inovadoras de networking, sessões técnicas e estratégicas, bem como funções de correspondência de investidores que servem para posicionar a região como um mercado de energia globalmente competitivo. Apoiada por reservas consideráveis de petróleo, gás e energias renováveis, um quadro legal moderno e fortes relações regionais, a região deve experienciar um crescimento económico e energético sem precedentes, com a MSGBC Oil, Gas & Power 2022 reforçando ainda mais essa tendência. Participando e visitando a conferência, os agentes do sector energético de todo o mundo podem fazer parte da revolução energética da região”, afirma Kelly-Ann Mealia, presidente da ECP.

NBA Africa E Rise Partner Motivam Excecionalmente Adolescentes Talentosos De Todo O Mundo

MIL OSIJOHANNESBURG, África do Sul, 16 de dezembro 2021/APO Group/ —

Rise Challenge irá ver 100 Vencedores Receber Acesso a Uma Vida Inteira de Vantagens, Incluindo Bolsas de Estudo, Mentoria para Desenvolvimento da Carreira, e Financiamento para Negócios Futuros para Benefício Público; Rise é o Programa Pivot de um Compromisso Filantrópico de $1 Bilhão por Eric e Wendy Schmidt para Encontrar e Apoiar Talento Mundial

NBA Africa e Rise, uma iniciativa global de Schmidt Futures e The Rhodes Trust que encontra jovens excecionalmente talentosos que necessitam de uma oportunidade e que os apoiem ao longo das suas vidas à medida que trabalham para servir os outros, lançaram hoje a campanha para encorajarem jovens entre os 15-17 anos de África e de todo o mundo para se candidatarem ao Rise Challenge (https://bit.ly/3GFvQee).

Como programa-pivot de um compromisso filantrópico de $1 bilhão (https://bit.ly/3IUL1Ck) mais amplo de Eric e Wendy Schmidt que irá apoiar o talento global, a Rise dedica-se a identificar jovens promissores ao dar-lhes oportunidades, recursos e apoio.  Como parte do Rise Challenge, a Rise irá selecionar 100 Vencedores Mundiais de entre dezenas de milhares de candidatos de todo o mundo para participarem no Rise Cohort de 2022.  Cada um dos 100 Vencedores Mundiais Rise irá receber vantagens ao longo das suas vidas, incluindo acesso a mentoria, serviços de carreira, programação de desenvolvimento de liderança e bolsas de estudos de ensino superior.  A NBA Africa e Rise irão promover o Rise Challenge via ambos os canais das organizações e assim encorajar aos jovens a candidatarem-se.

Os candidatos que se registem através da campanha da NBA África serão convidados para uma sessão virtual com um jogador ou lenda da NBA. Os candidatos que se tornarem Finalistas da NBA como parte desta iniciativa receberão merchandise da NBA e terão a oportunidade de participar na programação personalizada da NBA.

“Com missões alinhadas para procurar, cultivar e enriquecer talentos, a Rise está orgulhosa de se unir à NBA África para encontrar e apoiar uma rede de pessoas extraordinárias de diversas origens de todo o mundo que têm o potencial de servir outras pessoas para resto da vida,” afirmou o Diretor Executivo da Rise, Wanjiru Kamau-Rutenberg.  “Ao elevar o poder da comunidade de basket para estimular e envolver, esperamos ser capazes de inspirar ainda mais jovens juntarem-se ao Rise do Rise Challenge.”

“Estamos entusiasmados por trabalhar juntamente com a Rise como parte do compromisso de dar mais oportunidades aos jovens em África e no mundo todo para aprenderem e crescerem”, disse o Diretor Executivo da NBA Africa, Victor Williams.  “Queremos ajudar a Rise a identificar e desenvolver os líderes da próxima geração que serão os condutores de uma mudança transformativa em todo o continente e globalmente.”

A coorte inaugural dos 100 Vencedores Globais da Rise (https://bit.ly/3oYdaQT), no qual foram anunciados em outubro de 2021, foram selecionados de entre dezenas de milhares de candidatos que vêm de 42 países e falam mais de 20 línguas, incluindo 25 jovens de África.  

Os jovens entre 15-17 anos, à data de 1 de julho de 2022, podem candidatar-se para o Rise Cohort 2022.  As candidaturas estão agora a ser aceites através do “Hello World Network,” (https://bit.ly/3yuKGkV) uma aplicação móvel disponível no Google Play e no iOS App Store.

Diferente de várias candidaturas tradicionais, a Rise usa vídeos, projetos, e entrevistas de grupo, que dá aos candidatos várias oportunidades para demonstrarem o seu potencial.  Para os candidatos sem acesso a tecnologia móvel, a Rise oferece caminhos alternativos através de candidaturas no website e em papel.

O Rise Challenge tem três etapas. Os candidatos apresentam-se através de vídeos, criam um projeto individual onde demonstram os seus talentos e vantagens para as comunidades deles, e revêm outros projetos de candidaturas, entre outras atividades.

Uma vez que os candidatos terminem o Rise Challenge, a Rise seleciona até 500 Finalistas para avançarem para os “Dias de Finalista”, onde terão de demonstrar as suas motivações, capacidades de resolução de problemas e capacidades de trabalho de equipa num formato de entrevista inovadora.

Dos 500 Finalistas, a Rise seleciona 100 Vencedores Mundiais que ganharão acesso  a vantagens de uma vida inteira à medida que servem os outros.  Além disso, todos os candidatos qualificados irão juntar-se a uma comunidade global de líderes e ganham acesso a cursos personalizados online assim como oportunidades de financiamento e outras oportunidades de parceiros do mundo inteiro.

A parceria da NBA África e a colaboração Rise baseia-se no compromisso da NBA África em apoiar a juventude em todo o continente através de programas como o Jr. NBA, e a nível de elite através de programas como o Basketball Without Borders (BWB) Africa e a NBA Academy Africa, todos em que incluem programas de capacidades para a vida com foco no avanço da igualdade de género, liderança e desenvolvimento de caráter, e educação em saúde e bem-estar.

A NBA abriu a sua sede africana em Joanesburgo em 2010.  Desde então, os esforços da liga em África têm-se focado em facilitar o acesso ao basquetebol e à NBA através da base e de elite, distribuição de média, parcerias corporativas, jogos de NBA Africa, o lançamento da Basketball Africa League (BAL) e muito mais.  Em maio, a NBA lançou o NBA Africa como uma nova e autónoma entidade que lidera o negócio da liga em África, incluindo o BAL.

Para mais informação sobre como se candidatar, visite  https://bit.ly/3GFvQee.  

Equipa do FMI conclui miss?o virtual ? Guin?-Bissau para a 2? avalia??o do programa monitorizado pelo corpo t?cnico

MIL OSIWASHINGTON D.C., Estados Unidos da América, 14 de dezembro 2021/APO Group/ —

Continuaram a registar-se progressos na agenda reformista do programa monitorizado pelo corpo técnico (SMP- programa de referência), desde a 1ª avaliação em Outubro de 2021; ntinua a ser essencial reforçar a mobilização de receita e o produto dos novos impostos assim como garantir a contenção de despesas, para fortalecer a sustentabilidade da dívida e apoiar a despesa social e pró-crescimento; A estabilização macroeconómica e robustas medidas de governação e transparência contribuirão para a obtenção de financiamento concessional e donativos de parceiros internacionais, assim como para encorajar investimento privado.

Uma missão do corpo técnico do FMI, liderada por Jose Gijon, reuniu virtual e fisicamente com as autoridades, entre 30 de Novembro e 13 de Dezembro de 2021 no contexto da 2ª avaliação do programa de referência, com a duração de 9 meses, visando avaliar os esforços em curso no sentido da construção de um histórico em ordem a um acordo ao abrigo de uma Linha de Crédito Ampliada (ECF), em 2022.

No final da visita, Jose Gijon proferiu as seguintes declarações:

“O corpo técnico do FMI chegou a acordo com as autoridades sobre a conclusão da 2ª avaliação do programa de referência, sujeita à aprovação da Direcção do FMI. O desempenho e progresso reformista gerais foram robustos, apesar da difícil situação socioeconómica, agravada pela pandemia da COVID-19, tendo sido respeitada a maioria dos parâmetros estruturais e metas quantitativas, avaliados com referência ao final de Setembro de 2021.

Apesar deste desafiante contexto, em 2021 continuou a recuperação económica da Guiné-Bissau e foram reforçadas as perspectivas a médio-prazo. A inflação deverá manter-se abaixo dos 3%, em linha com o limiar regional da UEMOA.

O orçamento para 2022, aprovado pela ANP em 09 de Dezembro, é consistente com as medidas acordadas entre o FMI e as autoridades, em ordem à consecução de objectivos-chave do programa, medidas essas que pretendem reduzir o défice orçamental previsto para cerca de 4,2% do PIB, em 2022, convergindo gradualmente até 2025 para os 3% do PIB, norma regional da UEMOA para o défice. A estratégia orçamental pretende reduzir o nível de alguma despesa corrente, incluindo com a massa salarial e serviço da dívida, assim como reforçar o produto fiscal, incluindo impostos recém-introduzidos como sejam o imposto sobre telecomunicações e ainda através da digitalização da cobrança de impostos.

A consolidação macro-orçamental contribuirá para evitar atrasados e conter o nível da dívida pública, que está acima do limite definido no Pacto de Convergência da UEMOA, assim como para criar espaço para despesa em áreas prioritárias e pró-crescimento, como sejam saúde, educação e infra-estrutura física. A este respeito, o corpo técnico do FMI apoia a decisão das autoridades de utilizar a afectação à Guiné-Bissau de DES 27,2 milhões (cerca de US$ 38,4 milhões), para reembolsar antecipadamente onerosa dívida externa e para a despesa relacionada com a COVID-19, incluindo vacinação e melhoria dos serviços de saúde. As autoridades já conseguiram aumentar de forma significativa a percentagem da população-alvo com esquema vacinal completo (cerca de 35% no início de Dezembro de 2021).

O êxito do programa do FMI depende também de uma série de reformas cujo objectivo é aumentar a transparência, responsabilização e eficiência das finanças públicas, o que inclui: conclusão e publicação de uma auditoria independente às despesas COVID-19, no contexto das salvaguardas em matéria de governação a que se comprometeram os membros do FMI que receberam financiamento de emergência, como seja a Linha de Crédito Rápido (RCF) de que a Guiné-Bissau beneficiou em Janeiro de 2021; as autoridades estão também a formular alterações ao quadro jurídico da contratação pública, para assegurar a recolha e publicação dos nomes dos adjudicatários e correlata informação sobre beneficiários efectivos, assim como relatórios ex-post sobre a validação da entrega de bens e serviços; estão também a preparar uma reforma do regime de Declaração de Bens, para combater a corrupção; outra reforma crítica em sede de governação das finanças públicas consiste no estabelecimento de uma Conta Única do Tesouro. Todos estes esforços ajudarão a encorajar o apoio financeiro de parceiros internacionais assim como as decisões de investimento do sector privado.

O corpo técnico do FMI continuará a apoiar os esforços das autoridades junto de outros parceiros internacionais, no sentido da mobilização de financiamento concessional e de donativos, assim como o programa de reformas inclusive através da disponibilização da adequada capacitação.

A equipa do FMI foi recebida por S. Exas. o Presidente Sissoco Embaló, Primeiro-Ministro Nuno Nabiam, Vice-Primeiro Ministro Soares Sambú, Ministro das Finanças João Fadiá, Directora Nacional do BCEAO Helena Embaló, Presidente do Tribunal de Contas Tidjane Baldé e Alto-Comissariado para a COVID-19. A equipa reuniu também com quadros superiores dos Ministérios das Finanças, da Economia, Direcção Nacional do BCEAO, Instituto Nacional de Estatística, CENTIF e outros, tendo-se adicionalmente encontrado com representantes de várias empresas dos sectores privado e público, bem assim como dos principais parceiros internacionais.

A equipa gostaria de agradecer às autoridades pela sua abertura e construtivos debates, confiando numa continuada estreita cooperação que prepare o caminho para um acordo ao abrigo de uma Linha de Crédito Ampliada (ECF) em 2022.”

Arranque Da Liga Africana De Basquetebol Segunda Temporada Alargada A 5 De Mar?o

MIL OSICAIRO, Egipto, 9 de dezembro 2021/APO Group/ —

A segunda temporada da BAL contará com 12 equipas de 12 países africanos que entrarão em competição no Senegal, Egito e Ruanda, de março a maio de 2022; Os fãs podem visitar theBAL.com para registarem o seu interesse em bilhetes

A Basketball Africa League (BAL) anunciou hoje que a segunda temporada da liga irá arrancar no sábado, 5 de março de 2022, em Dakar, Senegal, e incluirá paragens no Cairo, Egito e Kigali, Ruanda.  A BAL contará novamente com as 12 melhores equipas de 12 países africanos e irá expandir-se para um total de 38 jogos que terão lugar em três cidades ao longo de três meses em 2022. 

A segunda temporada da BAL incluirá 15 jogos na Dakar Arena em Dakar, de 5 a 15 de março, 15 jogos no Hassan Mostafa Indoor Sports Complex, no Cairo, de 9 a 19 de abril, e oito jogos de Playoffs e Finais na Kigali Arena, em Kigali, de 21 a 28 de maio.  Os fãs podem registar o seu interesse em bilhetes e em receber mais informações em theBAL.com.  Os bilhetes serão postos à venda no início de 2022.

O anúncio foi feito hoje no Hassan Mostafa Indoor Sports Complex pelo Presidente da BAL, Amadou Gallo Fall, e por Ambrose Tashobya, Presidente do Conselho da Juventude da FIBA Africa, com a presença do Campeão Zamalek (Egito) da BAL inaugural.

“Após um lançamento bem-sucedido e histórico na primavera passada, estamos entusiasmados por poder aumentar a pegada da BAL na nossa segunda temporada”, afirmou Fall.  “Através deste formato de competição alargado, levaremos mais jogos a mais países em todo o continente, permitindo aos fãs novos e àqueles que regressam experimentar de perto e pessoalmente o entusiasmo desta liga de classe mundial”.

“Depois de uma primeira época tão memorável e histórica, aguardamos com expectativa a informação da BAL no próximo ano, em março”, disse Anibal Manave, Presidente do Conselho de Administração da BAL.  “Esta temporada será, sem dúvida, ainda mais emocionante com o aumento do número de jogos e também cidades anfitriãs adicionais – em particular aqui no Cairo, onde a Taça Intercontinental FIBA 2022 também terá lugar em fevereiro, apresentando pela primeira vez o inaugural BAL Champions Zamalek SC”.

Durante a segunda temporada da BAL, as 12 equipas serão divididas em dois grupos de seis equipas cada.  Cada grupo jogará uma fase de grupo de 15 jogos durante a qual cada equipa enfrentará uma vez as outras cinco equipas do seu grupo.  As oito melhores equipas da fase de grupos qualificam-se para os Playoffs da BAL, que serão de eliminatória simples em todas as três rondas.

Os campeões da liga nacional de 12 países africanos irão mais uma vez qualificar-se para a segunda temporada da BAL, incluindo através dos jogos de qualificação Road to BAL realizados pela Delegação Regional da FIBA Africa em todo o continente, de outubro a dezembro de 2021.

New Fortress Energy (NFE), Rwanda Development Board (RDB), NIKE, Jordan Brand e Wilson regressarão como parceiros fundadores da BAL.  A lista de parceiros de marketing de classe mundial da liga inclui também Flutterwave e Hennessy.

A 30 de maio, o Zamalek derrotou o US Monastir (Tunísia) 76-63 para ganhar o Campeonato inaugural da BAL(https://bit.ly/3Gtfi95) , que teve lugar na Arena de Kigali e foi transmitido para os fãs em 215 países e territórios em 15 idiomas. 

As equipas e os grupos da BAL e os detalhes adicionais sobre a segunda temporada da liga serão anunciados em data posterior.

S?o Tom? e Pr?ncipe d? passo importante na luta contra as doen?as n?o transmiss?veis

MIL OSISAO TOME, São Tomé e Príncipe, 3 de dezembro 2021/APO Group/ —

A Organização Mundial da Saúde apoia São Tomé e Príncipe a validar os Protocolos de prevenção e manejo de casos das doenças não transmissíveis na atenção primária de saúde.

As doenças não transmissíveis são todos os tipos de enfermidades que não se transmitem de  pessoa para pessoa, tais como as doenças cardiovasculares, as doenças respiratórias, a diabetes, o cancro entre outros.

O acto de validação e posterior iimplementação dos protocolos vai marcar o ponto de viragem ao nivel do sistema de serviços e de tratamento nos postos, centros de saúde e hospitais do país com a adopção de novos procedimentos e técnicas para rastrear, diagnosticar, tratar e encaminhar os diferentes casos de doenças de foro não transmissível.

Organizado no quadro de um atelier conjunto, o evento contou com a presença do Ministro da Saúde, Dr. Edgar Neves, e da Representante da OMS, Dra. Anne Ancia.

Nos ultimos anos as doenças não transmissíveis têm vindo a ganhar terreno no país, com a mudança de estilo de vida da população, e em 2018 já representavam 55% das causas de mortalidade ao nivel nacional, e 70% de todas as admissões no Hospital Ayres de Menezes.

A validação desses protocolos vai permitir acções preventivas de redução de factores de riscos que têm causado muito sofrimento à população no que se refere às doenças não transmissíveis.

Dirigindo-se aos participantes do evento, a Representante da OMS felicitou o governo pela sua adesão ao Pacote da OMS para as Intervenções Essenciais das Doenças Não Transmissíveis (PEN) para Cuidados Primários de Saúde em contextos de país com recursos limitados. 

A Dra. Anne Ancia assegurou que esta adesão estabelece um marco importante de mudança do paradígma, colocando o foco sobre as doenças não transmissíveis, numa abordagem integrada das doenças com enfase nos reforços dos cuidados primários de saúde e para levar a saúde muito mis perto das pessoas, – estivemos a citar.

O ministro da saúde que presidiu o acto, disse por sua vez que os dados que têm chegado ao seu ministério, indicam que haverá um rápido aumento de doenças nao transmissiveis se medidas preventivas nao forem reforçadas.

Dr. Edgar Neves lamentou o facto de à medida que São Tome e Príncipe começa a fazer progressos, no tratamento de doenças infecciosas e a colher os beneficios económicos desse esforço, torna-se cada vez mais vulnerável às doenças não transmissíveis.

A aplicação dos novos protocolos para as doenças não transmissíveis será feita em projecto piloto ao nivel dos distritos de Água-Grande, Mé-Zochi e Lembá, e será assegurado no contexto do programa das Nações Unidas dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentáveis na componente protecção social às famílias vulneráveis.

A Organização Mundial da Saúde tem esperanças que este projecto piloto obtenha resultados que possam conduzir a sua expansão ao nível nacional, traduzindo assim num esforço conjunto de implementação da cobertura universal da saúde, que é actualmente um ambicioso plano de melhoria da condição de saúde do povo de São Tomé e Príncipe.

Compacto Lus?fono: Banco Africano de Desenvolvimento em parceria com a IFC avan?am o desenvolvimento econ?mico nos Pa?ses Africanos de L?ngua Oficial Portuguesa

MIL OSIABIDJAN, Costa do Marfim, 2 de dezembro 2021/APO Group/ —

O Banco Africano de Desenvolvimento (AfDB.org) e a IFC assinaram hoje um acordo de parceria admitindo a IFC como o primeiro parceiro institucional do Compacto para Financiamento do Desenvolvimento para os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), ou o Compacto Lusófono.

O acordo foi assinado pelo Vice-Presidente do Banco Africano de Desenvolvimento para os Serviços Corporativos e Recursos Humanos e Presidente do Comité Diretor do Compacto Lusófono, Dr. Mateus Magala, e Dr. Sérgio Pimenta, Vice-Presidente Regional para África, IFC, numa breve cerimónia na capital comercial da Costa do Marfim, Abidjan.

A assinatura segue-se à aprovação pelo Comité Diretor do Compacto Lusófono da proposta de parceria apresentada pela IFC , com base no Quadro de Critérios de Adesão e de Elegibilidade para Parceiros e Membros do Compacto Lusófono, adotado em dezembro de 2020.

A aceitação no Compacto Lusófono baseia-se em dois princípios gerais: apoio ao objetivo da iniciativa de acelerar o crescimento inclusivo do sector privado e promover a integração regional dos PALOP, e a prestação de contribuições específicas e de valor acrescentado, alinhadas com as âncoras da iniciativa.

“Este marco notável irá maximizar o apoio e a prestação de um apoio adequado ao desenvolvimento acelerado do sector privado e à integração regional nos PALOP. A IFC traz a sua vasta experiência e conhecimentos globais no apoio ao desenvolvimento do sector privado em vários países. Estamos ansiosos por trabalhar em conjunto para aumentar os investimentos do sector privado nos países membros do Compacto Lusófono”, disse o Dr. Magala, durante a cerimónia de assinatura.

A adesão ao Compacto Lusófono está aberta aos países membros regionais e não regionais de língua portuguesa do Banco Africano de Desenvolvimento; comités económicos regionais; instituições financeiras de desenvolvimento; bancos de investimento; bancos comerciais; investidores institucionais tais como fundos de pensões; fundos soberanos; e outras instituições privadas, fundações, organizações não governamentais, e instituições que oferecem assistência técnica.

O Compacto Lusófono promove o desenvolvimento do sector privado, fornecendo mitigação de riscos, instrumentos de financiamento e assistência técnica para fomentar os negócios nos países membros.

“A CFI está totalmente empenhada em fazer avançar o desenvolvimento económico nos países africanos lusófonos. Vemos esta assinatura do Compacto Lusófono e o seu plano de desenvolvimento integrado como uma continuação do nosso trabalho, mas agora maximizado para alavancar as competências, conhecimentos e financiamento disponibilizados por cada parceiro”, disse Sérgio Pimenta, Vice-Presidente Regional para África da CFI.

Dr. Pimenta observou que os objetivos do Compacto estão alinhados com a estratégia de Criação de Mercados da CFI que está a ser implementada na África lusófona e noutras regiões, para desbloquear oportunidades de investimento do sector privado através do trabalho de diagnóstico do sector privado, mitigação de riscos e financiamento de projetos viáveis.

“Estamos muito ansiosos por trabalhar com os nossos parceiros para alavancar a nossa experiência e apoiar a mobilização de capital privado para os PALOP”, acrescentou Pimenta.

Clique aqui (https://bit.ly/2ZLupeu) para mais informações sobre os critérios de elegibilidade para a adesões e parcerias.

Compacto Lus?fono: Banco Africano de Desenvolvimento em parceria com a IFC avan?am o desenvolvimento econ?mico nos Pa?ses Africanos de L?ngua Oficial Portuguesa

MIL OSIABIDJAN, Costa do Marfim, 1 de dezembro 2021/APO Group/ —

O Banco Africano de Desenvolvimento (AfDB.org) e a IFC assinaram hoje um acordo de parceria admitindo a IFC como o primeiro parceiro institucional do Compacto para Financiamento do Desenvolvimento para os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), ou o Compacto Lusófono.

O acordo foi assinado pelo Vice-Presidente do Banco Africano de Desenvolvimento para os Serviços Corporativos e Recursos Humanos e Presidente do Comité Diretor do Compacto Lusófono, Dr. Mateus Magala, e Dr. Sérgio Pimenta, Vice-Presidente Regional para África, IFC, numa breve cerimónia na capital comercial da Costa do Marfim, Abidjan.

A assinatura segue-se à aprovação pelo Comité Diretor do Compacto Lusófono da proposta de parceria apresentada pela IFC , com base no Quadro de Critérios de Adesão e de Elegibilidade para Parceiros e Membros do Compacto Lusófono, adotado em dezembro de 2020.

A aceitação no Compacto Lusófono baseia-se em dois princípios gerais: apoio ao objetivo da iniciativa de acelerar o crescimento inclusivo do sector privado e promover a integração regional dos PALOP, e a prestação de contribuições específicas e de valor acrescentado, alinhadas com as âncoras da iniciativa.

“Este marco notável irá maximizar o apoio e a prestação de um apoio adequado ao desenvolvimento acelerado do sector privado e à integração regional nos PALOP. A IFC traz a sua vasta experiência e conhecimentos globais no apoio ao desenvolvimento do sector privado em vários países. Estamos ansiosos por trabalhar em conjunto para aumentar os investimentos do sector privado nos países membros do Compacto Lusófono”, disse o Dr. Magala, durante a cerimónia de assinatura.

A adesão ao Compacto Lusófono está aberta aos países membros regionais e não regionais de língua portuguesa do Banco Africano de Desenvolvimento; comités económicos regionais; instituições financeiras de desenvolvimento; bancos de investimento; bancos comerciais; investidores institucionais tais como fundos de pensões; fundos soberanos; e outras instituições privadas, fundações, organizações não governamentais, e instituições que oferecem assistência técnica.

O Compacto Lusófono promove o desenvolvimento do sector privado, fornecendo mitigação de riscos, instrumentos de financiamento e assistência técnica para fomentar os negócios nos países membros.

“A CFI está totalmente empenhada em fazer avançar o desenvolvimento económico nos países africanos lusófonos. Vemos esta assinatura do Compacto Lusófono e o seu plano de desenvolvimento integrado como uma continuação do nosso trabalho, mas agora maximizado para alavancar as competências, conhecimentos e financiamento disponibilizados por cada parceiro”, disse Sérgio Pimenta, Vice-Presidente Regional para África da CFI.

Dr. Pimenta observou que os objetivos do Compacto estão alinhados com a estratégia de Criação de Mercados da CFI que está a ser implementada na África lusófona e noutras regiões, para desbloquear oportunidades de investimento do sector privado através do trabalho de diagnóstico do sector privado, mitigação de riscos e financiamento de projetos viáveis.

“Estamos muito ansiosos por trabalhar com os nossos parceiros para alavancar a nossa experiência e apoiar a mobilização de capital privado para os PALOP”, acrescentou Pimenta.

Clique aqui (https://bit.ly/2ZLupeu) para mais informações sobre os critérios de elegibilidade para a adesões e parcerias.

National Aviation Services (NAS) ? a primeira Empresa de Assist?ncia em Escala – Ground Handling Agent (GHA) – para integrar com o IATA Travel Pass

MIL OSIPRAGUE, Czech Republic, 18 de november 2021/APO Group/ —

A National Aviation Services (NAS) (NAS.aero), a provedora de serviços de aviação de crescimento mais rápido nos mercados emergentes, é a primeira Companhia de Assistência em Escala –  Ground Handling Agent (GHA) – do mundo a se integrar ao Travel Pass da International Air Transport Association (IATA). A IATA fez o anúncio hoje, na 33ª Conferência de Handling da IATA em Praga. O IATA Travel Pass é um aplicativo móvel que ajuda os passageiros a gerenciar suas viagens de maneira fácil e segura, de acordo com os requisitos do governo para teste COVID-19 ou informações sobre vacinas.

A NAS juntou seu Medical Utility Network Accreditor (MUNA) com o IATA Travel Pass. O MUNA, baseado em uma tecnologia patenteada de “blockchain”, conecta laboratórios auditados em mais de 740 cidades no Oriente Médio, Ásia, Europa e Estados Unidos. A plataforma online oferece certificados de teste PCR verificados e autenticados para facilitar os procedimentos para viajantes e funcionários em aeroportos. O MUNA também se conecta ao KuwaitMosafer, outra plataforma baseada na web desenvolvida pela NAS que facilita viagens ao Kuwait e inclui o certificado de vacina online do Ministério da Saúde do Kuwait. Estes ‘passaportes digitais’ permitem que os viajantes gerenciem toda a sua documentação de viagem de maneira integrada e também são uma solução adequada para companhias aéreas e autoridades aeroportuárias.

Rami Al Haddad, CIO do Grupo da NAS destacou “A NAS se orgulha de ser o pioneiro em soluções de viagens inovadoras durante a pandemia. Temos o prazer de fazer a integração com o IATA Travel Pass não apenas para aprimorar a experiência do cliente, mas também para atender aos requisitos de companhias aéreas, aeroportos e governos – de forma segura, contínua e eficiente. Por meio da integração com o IATA Travel Pass, qualquer pessoa testada pelo MUNA ou com credenciais de vacina atestadas pelo MUNA, pode utilizar os códigos QR dessas plataformas, para uma passagem mais rápida em aeroportos de todo o mundo”.

A NAS está presente em mais de 55 aeroportos em todo o Oriente Médio, África e Sul da Ásia, fornecendo serviços para mais da metade das dez maiores companhias aéreas do mundo e centros de aviação importantes. Seu portfólio de serviços pioneiros também inclui gerenciamento de carga, tecnologias aeroportuárias, gerenciamento de salas VIP, serviços de atendimento e assistência, (Meet & Assist) bem como formação de aviação. A empresa segue os mais altos padrões internacionais de aviação e possui uma série de certificações globais, incluindo Auditoria de Segurança para Operações Terrestres (ISAGO) da IATA, que destaca a promessa da empresa de fornecer serviços de alta qualidade, com um forte foco na segurança.

“As operações em terra serão paralisadas se os agentes de assistência em terra tiverem que gerenciar os requisitos de viagem COVID-19 dos passageiros – resultados de testes ou certificados de vacinas – com documentação em papel. A integração da NAS do IATA Travel Pass com o MUNA permitirá que os passageiros carreguem facilmente os resultados do teste COVID-19 verificados do MUNA no IATA Travel Pass e verifiquem se têm as credenciais de saúde correctas para o seu destino, para que possam chegar ao aeroporto prontos para voar. Ter a confiança de uma grande empresa de assistência em escala como a NAS apoiando o IATA Travel Pass é extremamente significativo. Esperamos que esta cooperação se torne um modelo a seguir por outras companhia de Assistência em Escala”, disse Nick Careen, vice-presidente sênior de operações e proteção da IATA.

Mo?ambique: Banco Africano de Desenvolvimento aumenta para $2.5 million a sua contribui??o financeira total para apoiar o conte?do local e cria??o de emprego em Mo?ambique

MIL OSIABIDJAN, Costa do Marfim, 16 de november 2021/APO Group/ —

O Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento (www.AfDB.org) aprovou uma contribuição adicional no valor de $1.5 milhões para Moçambique para apoiar o desenvolvimento de conteúdo local e de Pequenas e Médias Empresas (PME) com enfoque em negócios liderados por mulheres no sector dos recursos naturais do país.

Esta nova aprovação eleva o compromisso total da Instituição para o Desenvolvimento de PMEs para $2.5 milhões, após uma contribuição inicial de $1 milhão ocorrida em Junho de 2021 para o Instituto para a Promoção das Pequenas e Médias Empresas (IPEME) no âmbito do Projecto de Desenvolvimento de Conteúdo Local multisectorial em Negócios Liderados por Jovens e Mulheres de Micro, Pequenas e Médias Empresas (MPMEs) (MOZYWEB).  O referido financiamento foi proveniente do Fundo Fiduciário de Multi-Doadores para Empreendedorismo e Inovação Juvenil (YEI MDTF) (https://bit.ly/3wPvrCj).

A nova contribuição aprovada, proveniente de duas fontes do Banco – a Acção Financeira Afirmativa para as Mulheres em África (AFAWA) (https://bit.ly/3wSuppd), por meio da Iniciativa Financeira para Mulheres Empreendedoras (WeFi) (https://bit.ly/3kGJghD), e o Fundo de Assistência ao Sector Privado Africano (FAPA) (https://bit.ly/3Hlnh9D) – fornecerá assistência técnica e institucional à Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH), a companhia petrolífera nacional de Moçambique no âmbito da Iniciativa LinKar.

Estes contribuicões são realizados na sequência da aprovação em Novembro de 2019, pelo Conselho de Administração do BAD, de um empréstimo no valor de $400  milhões para a “Área 1 de GNL de Moçambique”.  O acordo de financiamento contempla o reforço da capacidade de desenvolvimento de empresas locais através de programas específicos de assistência técnica para a criação de empregos no país.

A Iniciativa LinKar irá concentrar-se na melhoria da capacidade das PMEs locais, fornecedoras de bens e serviços numa grande variedade de subsectores, incluindo restauração, material de escritório, formação, gestão de instalações, despacho aduaneiro, recrutamento e logística, fazendo desta forma progredir a economia do país.

Estevão Pale, o PCA da ENH, afirmou: “A implementação de projectos de gás, previstos nos próximos 12 a 24 meses, do GNL Flutuante de Coral e da Área 1 (pela TOTAL), na Bacia do Rovuma, bem como a construção do projecto da Central Térmica de Temane ( CTT), exige uma materialização urgente das quatro áreas de acção da LINKAR: capacitação, financiamento, assistência técnica e contratação de PMEs”. O projecto CTT está projectado para gerar uma média de 450MW de potência e a produção de 30.000 toneladas de GPL (gás doméstico) na Bacia de Inhambane. 

“Ambos os programas (LinKar e MOZYWEB) apoiarão mais de 300 empresas locais, proporcionando-lhes acesso a competências e certificação, acesso a contratos e financiamento de instituições financeiras locais. Estas PMEs irão criar empregos, especialmente para mulheres e jovens, e impulsionar o conteúdo local na indústria do petróleo e gás em Moçambique”, reforçou o Representante Residente do Banco Africano de Desenvolvimento, César Augusto Mba Abogo, comentando sobre o apoio do Banco a Moçambique.

Comentando sobre a contribuição , Marieme Ester Dessanou, Coordenadora da Acção Financeira Afirmativa para as Mulheres em África (AFAWA), iniciativa do Banco Africano de Desenvolvimento, afirmou: “O empoderamento económico das mulheres africanas é um pré-requisito para o crescimento económico sustentável. Investir nas mulheres significa investir no futuro de África. A Pandemia da Covid-19 afectou muitos ganhos conseguidos na última década para as mulheres emprendedoras. A AFAWA está entusiasmada em alavancar os fundos da Iniciativa Financeira para Mulheres Empreendedoras (WeFi) e apoiar empresas de propriedade/dirigidas por mulheres no sector do petróleo e gás em Moçambique”.

ENH- Empresa Nacional de Hidrocarbonetos, o organismo governamental responsável pela exploração, produção e comercialização de hidrocarbonetos em Moçambique, está empenhada em aproveitar os recursos de gás de Moçambique para impulsionar um crescimento económico mais amplo e criar empregos locais sustentáveis.

National Aviation Services (NAS) apoia a diversidade de g?nero por meio da Iniciativa 25by2025 da IATA

MIL OSIKUWAIT CITY, Kuwait, 12 de november 2021/APO Group/ —

National Aviation Services (NAS) (www.NAS.aero), o provedor de serviços de aviação de crescimento mais rápido nos mercados emergentes, assinou a iniciativa de diversidade de gênero 25by2025 da IATA. 25by2025 é uma iniciativa voluntária da aviação para melhorar a representação feminina na indústria. A campanha é um passo inicial para tornar a indústria da aviação mais equilibrada em termos de gênero.

Rabah Bu Hamdan, Diretor de Recursos Humanos do Grupo da NAS disse: “Com funcionários de mais de 65 nacionalidades, a diversidade e a inclusão são uma parte importante de nossa cultura corporativa. Um local de trabalho diversificado e inclusivo acelera o crescimento de uma empresa com uma mistura de culturas, ideias e pontos de vista, ao mesmo tempo que capacita os funcionários a fazerem o seu melhor. Nos últimos anos, temos nos empenhado em aumentar o número de mulheres empregadas na nossa rede, chegando a 20% de nossa base total de funcionários. Nossa equipe de gestão é composta por 19% de mulheres. Ao ingressar no IATA 25by2025, esperamos continuar estes esforços e aumentar a participação das mulheres não apenas na NAS, mas também na indústria de aviação em geral.”

Ao prometer o seu apoio, a NAS junta-se a mais de 80 empresas relacionadas com a aviação no compromisso de aumentar a representação feminina em cargos de chefia e em áreas onde as mulheres são tradicionalmente sub-representadas em 25%, ou até um mínimo de 25% até 2025. Como parte de este compromisso, a NAS também apresentará relatórios anuais sobre os principais indicadores de diversidade e aumentará as nomeações femininas de suas companhias aéreas para funções de governança da IATA para um mínimo de 25%, enquanto trabalha com a IATA para aumentar o número de mulheres nomeadas para funções de governança da IATA para um mínimo de 25% .

Anton Grove, Vice-Presidente de Desempenho e Desenvolvimento de Pessoas da IATA destacou: “Congratulo-me com o compromisso da NAS em promover um maior equilíbrio de gênero na indústria por meio da iniciativa 25by2025 da IATA. NAS é um dos primeiros provedores de serviços abrindo caminho para uma indústria mais equilibrada em termos de gênero, reconhecendo a necessidade de ação. O compromisso da NAS ajuda a atingir esse objetivo.”

A NAS foi reconhecida como “Melhor Estratégia de Diversidade e Inclusão” no Future Workplace Awards 2020. Com 10.000 funcionários, a NAS opera em mais de 55 aeroportos na África, Sul da Ásia e Oriente Médio. Sendo a maior prestadora de serviços aeroportuários da África, a NAS também administra mais de 50 salas VIP. Seu extenso portfólio de serviços inclui assistência em escala, gerenciamento de carga, soluções de tecnologia inovadoras e treinamento para sete das dez maiores companhias aéreas do mundo, bem como centros de aviação importantes.