Substituição de equipamentos interromperá provisoriamente alguns serviços na internet do MD

Source: Republic of Brazil news

Brasília, 19/10/2018 – A Secretaria de Orçamento e Organização Institucional (Seori), por intermédio do Departamento de Tecnologia da Informação (Depti), informa aos servidores civis e militares do Ministério da Defesa  (MD) e público externo que, a partir das 18h desta sexta-feira (19), haverá interrupção parcial no acesso à internet e interrupção total dos serviços disponibilizados pelo Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro). São eles:

1. Interrupção total do:

a. Acesso ao SEI pelo HFA;
b. Acesso ao SEI pelo Censipam;
c. Acesso à Rede Interna do Exército Brasileiro (EBNet);
d. Acesso à Rede Interna da Força Aérea Brasileira (Intraer).

2. Interrupção parcial do:

a. SEI Externo;
b. Expresso;
c. Portais da Defesa, do Pandiá e do Caslode.
d. Acesso ao Sisclaten pela internet;
e. Acesso ao UNA pela internet.

A paralisação ocorrerá em virtude do serviço de substituição de equipamentos da Infovia, providos pelo Serpro. O tempo de indisponibilidade é de, aproximadamente, quatro horas, podendo haver alterações em decorrência das novas configurações que serão implementadas.

Com informações da SEORI/Depti

Assessoria de Comunicação Social (Ascom)
Ministério da Defesa
(61) 3312-4071

MIL OSI

Programa de Regionalização do Turismo amplia integração com municípios

Source: Republic of Brazil 2

Institucional
PRT + Integrado é uma forma de aproximação dos gestores das regiões turísticas e os coordenadores das ações do MTur voltadas para os municípios

Por Geraldo Gurgel
Reunião Instâncias de Governança Regionais do Programa de Regionalização – foto: Geraldo Gurgel
Atendendo as demandas dos representantes das Instâncias de Governanças Regionais (IGRs) do Programa de Regionalização do Turismo, o PRT + Integrado promoveu nesta quinta-feira (18) mais um encontro em Brasília. O objetivo é construir e pactuar parcerias para atuação conjunta e integrada entre as instâncias de governança, os interlocutores do MTur nos estados e a troca de experiências entre os representantes do setor.
As ações desenvolvidas pelo Ministério do Turismo para estruturar os destinos turísticos foram discutidas com os coordenadores de vários programas. Entre eles, o Cadastro de Prestadores de Serviços Turísticos (Cadastur), o Prodetur+tuirsmo e o Fundo Geral de Turismo – FUNGETUR.
Na reunião os gestores regionais ressaltaram a importância da existência de um Conselho Municipal de Turismo ser adicionado como critério obrigatório para a manutenção ou inclusão do município no próximo Mapa do Turismo Brasileiro. O Mapa, que será atualizado em 2019, contempla atualmente 3.285 municípios inseridos em 328 regiões turísticas.
“O mapa é uma importante ferramenta de gestão que auxilia o ordenamento da atividade turística e o desenvolvimento das políticas públicas para o turismo nos municípios e regiões turísticas”, destacou Ana Carla Moura Fernandes, coordenadora do Programa de Regionalização do Turismo. O mapa é atualizado a cada dois anos em parceria com os órgãos oficiais de turismo dos estados.
O secretário nacional de Estruturação do Turismo, Totó Parente, também falou da importância dos encontros e troca de experiências entre as regiões turísticas. “Além de sanar os gargalos apresentados sobre os assuntos de grande importância para o desenvolvimento do Programa de Regionalização do Turismo, as demandas dos municípios aprimoram outros programas do Ministério do Turismo com foco na estruturação dos destinos e na boa qualidade dos serviços prestados ao turista”, disse.
O PRT + Integrado apresentou detalhes sobre apoio ao crédito através do Fungetur e do Prodetur + Turismo, atração de investimentos, cadastro e fiscalização de prestadores de serviços turísticos, promoção de eventos, infraestrutura turística e produtos turísticos. “Trabalhamos em várias frentes para que os municípios cresçam tendo o turismo como vetor de desenvolvimento”, ressaltou Rogério Coser, diretor do Departamento de Ordenamento do Turismo.
Participaram do encontro os dirigentes das seguintes regiões turísticas: Encantos do Sul (SC), formada por 19 municípios; Caminhos dos Príncipes (SC), com 16 cidades; Alta Mogiana (MG/SP), circuito integrado com 31 cidades turísticas, sendo 14 em Minas Gerais e 17 em São Paulo; e Chapada dos Veadeiros (GO), região onde estão inseridos 5 municípios que exploram atividades de ecoturismo, natureza e aventura.
Para o presidente do Fórum de Turismo da Chapada dos Veadeiros, Marcelo Nissen, é fundamental acompanhar de perto os programas do MTur para que os municípios turísticos sejam beneficiados. “Conhecendo melhor cada ação da Pasta, podemos interagir com os conselhos municipais de turismo das cinco cidades da minha região e, assim, estruturarmos melhor nossos serviços e atividades turísticas em cada um dos destinos”, disse. O empresário administra uma fazenda, em São João da Aliança, onde fica a maior cachoeira de Goiás. “Já temos mais de 150 atrativos turísticos catalogados na região do entorno do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, daí a importância dessa atividade para a economia local”, ressaltou Nissen.

MIL OSI

Linha de crédito para apoiar organizações de produtores e cooperativas

MIL OSI

O Secretário de Estado da Agricultura e Alimentação, Luís Medeiros Vieira, anunciou a criação de uma linha de crédito para apoiar as organizações de produtores e cooperativas dos setores do vinho e da fruta. O anúncio foi feito durante a abertura da Feira da Maçã, em Armamar.

No valor de três milhões de euros, a linha de crédito destina-se a apoiar estas entidades por perdas de rendimento decorrentes da quebra do nível de comercialização devida à redução das colheitas dos associados.

Em causa estão perdas originadas pela vaga de calor que atingiu o país no início do mês de agosto. Esta vaga de calor provocou nalgumas culturas, como foi o caso da maçã, o chamado «escaldão», resultante das intensas temperaturas que se fizeram sentir. Outra cultura onde os efeitos do «escaldão» provocaram perdas de produção foi a da vinha.

Luís Medeiros Vieira considerou que «esta medida complementa os apoios que já são dados a estas duas fileiras através do Sistema de Seguros de Colheitas e dos Fundos Operacionais, financiando a contratação do risco do “escaldão”, assegurando agora recursos financeiros que permitirão às organizações de produtores e cooperativas fazer face a possíveis reduções de atividade económica».

No caso dos produtores, o risco do «escaldão» é coberto pelos seguros, através do Sistema de Seguros de Colheitas. O sistema é apoiado pelo Ministério da Agricultura num montante anual global de 11,5 milhões de euros.

Para as Organizações de Produtores e Cooperativas, o Governo disponibiliza agora esta linha de crédito garantida a  três anos, com um período de carência de um ano, cujas regras de acesso serão definidas em portaria a publicar brevemente.

Linha de crédito para apoiar organizações de produtores e cooperativas Três milhões de euros para apoiar entidades que tenham perdido rendimentos devido à quebra do nível de comercialização

MIL OSI

O Secretário de Estado da Agricultura e Alimentação, Luís Medeiros Vieira, anunciou a criação de uma linha de crédito para apoiar as organizações de produtores e cooperativas dos setores do vinho e da fruta. O anúncio foi feito durante a abertura da Feira da Maçã, em Armamar.

No valor de três milhões de euros, a linha de crédito destina-se a apoiar estas entidades por perdas de rendimento decorrentes da quebra do nível de comercialização devida à redução das colheitas dos associados.

Em causa estão perdas originadas pela vaga de calor que atingiu o país no início do mês de agosto. Esta vaga de calor provocou nalgumas culturas, como foi o caso da maçã, o chamado «escaldão», resultante das intensas temperaturas que se fizeram sentir. Outra cultura onde os efeitos do «escaldão» provocaram perdas de produção foi a da vinha.

Luís Medeiros Vieira considerou que «esta medida complementa os apoios que já são dados a estas duas fileiras através do Sistema de Seguros de Colheitas e dos Fundos Operacionais, financiando a contratação do risco do “escaldão”, assegurando agora recursos financeiros que permitirão às organizações de produtores e cooperativas fazer face a possíveis reduções de atividade económica».

No caso dos produtores, o risco do «escaldão» é coberto pelos seguros, através do Sistema de Seguros de Colheitas. O sistema é apoiado pelo Ministério da Agricultura num montante anual global de 11,5 milhões de euros.

Para as Organizações de Produtores e Cooperativas, o Governo disponibiliza agora esta linha de crédito garantida a  três anos, com um período de carência de um ano, cujas regras de acesso serão definidas em portaria a publicar brevemente.

Três milhões de euros para apoiar entidades que tenham perdido rendimentos devido à quebra do nível de comercialização

MIL OSI

O Secretário de Estado da Agricultura e Alimentação, Luís Medeiros Vieira, anunciou a criação de uma linha de crédito para apoiar as organizações de produtores e cooperativas dos setores do vinho e da fruta. O anúncio foi feito durante a abertura da Feira da Maçã, em Armamar.

No valor de três milhões de euros, a linha de crédito destina-se a apoiar estas entidades por perdas de rendimento decorrentes da quebra do nível de comercialização devida à redução das colheitas dos associados.

Em causa estão perdas originadas pela vaga de calor que atingiu o país no início do mês de agosto. Esta vaga de calor provocou nalgumas culturas, como foi o caso da maçã, o chamado «escaldão», resultante das intensas temperaturas que se fizeram sentir. Outra cultura onde os efeitos do «escaldão» provocaram perdas de produção foi a da vinha.

Luís Medeiros Vieira considerou que «esta medida complementa os apoios que já são dados a estas duas fileiras através do Sistema de Seguros de Colheitas e dos Fundos Operacionais, financiando a contratação do risco do “escaldão”, assegurando agora recursos financeiros que permitirão às organizações de produtores e cooperativas fazer face a possíveis reduções de atividade económica».

No caso dos produtores, o risco do «escaldão» é coberto pelos seguros, através do Sistema de Seguros de Colheitas. O sistema é apoiado pelo Ministério da Agricultura num montante anual global de 11,5 milhões de euros.

Para as Organizações de Produtores e Cooperativas, o Governo disponibiliza agora esta linha de crédito garantida a  três anos, com um período de carência de um ano, cujas regras de acesso serão definidas em portaria a publicar brevemente.

Brasil apoia resposta humanitária às vítimas do tsunami na Indonésia

Source: Republic of Brazil

Em resposta ao apelo internacional lançado pelo governo indonésio e pelo Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), o governo brasileiro doará US$ 100 mil, em caráter de cooperação humanitária, às vítimas do terremoto e maremoto que assolaram a Província de Sulawesi Central, na Indonésia, em 28/9. A tragédia deixou mais de 2 mil mortos, 10 mil pessoas feridas em estado grave e 80 mil desabrigados.

A doação será realizada por meio do Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA), que tem auxiliado o governo indonésio a coordenar a logística da assistência às vítimas.

O anúncio oficial da contribuição brasileira ocorreu hoje, dia 19 de outubro, em encontro em Brasília do Ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, com os embaixadores de países da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN).

MIL OSI

Rio será sede do 1° Prêmio Nacional de Turismo

Source: Republic of Brazil 2

INSTITUCIONAL
Edital da premiação será divulgado em breve no portal do MTur

 
Por Vanessa Sampaio
Presidente da Embrapa, Marcelo Alves, e ministro Vinicius Lummertz durante reunião. Crédtio: Gustavo Messina
Em visita ao presidente da Empresa de Turismo do Município do Rio de Janeiro (RioTur), Marcelo Alves, nesta quinta-feira (18), o ministro do Turismo, Vinicius Lummertz, anunciou que a cerimônia de divulgação dos ganhadores do 1° Prêmio Nacional de Turismo será realizada em dezembro no Rio de Janeiro (RJ).
“Esse é um prêmio do Rio e do Brasil. A cidade merece esse reconhecimento e essa atenção do turismo brasileiro”, disse Lummertz durante a reunião. Segundo ele, a importância da realização do evento na capital fluminense vai virar cláusula do edital do Prêmio.
Para o presidente da RioTur, a iniciativa é um presente para a cidade. “Vamos abraçar essa oportunidade e diremos ao Brasil porquê somos uma grande vitrine do País”, comemorou.
Durante a reunião, o ministro também conheceu ideias, projetos e recursos inovadores para o Reveillon carioca em 2019. O presidente Marcelo Alves apresentou em primeira mão as projeções em led (mapping) e a nova tela de contagem regressiva da virada do ano. “Esse é um dos maiores produtos de marketing da Cidade Maravilhosa. No último ano, batemos 100% de ocupação na virada segundo a ABIH-RJ. Ou seja, é uma ampla janela com oportunidade de promoção e desenvolvimento do setor”, comentou Alves.
Uma grande cascata de led com imagens do Brasil será ligada ao anoitecer do dia 31 de dezembro de 2018. As telas irão apresentar os destinos nacionais ao mundo. A programação terá 10 dias de festa, de 26/12 a 06/01. Ao fim das atrações de Reveillon na cidade, será aberto o calendário das festas de carnaval, com o primeiro ensaio técnico da escola campeã de 2018, a Beija-Flor, na Avenida Atlântica. O objetivo é estender a estadia de turistas – que compõem parte do público de 3 milhões de pessoas nos festejos da virada da capital – com a chegada dos primeiros festejos da maior festa popular do Brasil.
SOBRE O PRÊMIO – Iniciativa inédita, o 1° Prêmio Nacional de Turismo tem por objetivo identificar, reconhecer, premiar e disseminar iniciativas, práticas inovadoras e casos de sucesso relacionados ao setor público, ao setor privado e ao terceiro setor do turismo brasileiro. Além de projetos, serão condecorados também profissionais que tenham atuado de maneira criativa, inovadora e proativa no desenvolvimento do turismo no país.
O Prêmio Nacional de Turismo é dividido em sete categorias: Monitoramento e Avaliação do Turismo, Qualificação e Formalização no Turismo, Valorização do Patrimônio pelo Turismo, Turismo de Base Local e Produção Associada ao Turismo, Turismo Social, Inovação Tecnológica no Turismo, Marketing e Apoio à Comercialização do Turismo.
A premiação possui caráter simbólico, sem valor comercial ou financeiro, e será concedida na forma de troféus e certificados. Os detalhes da premiação serão divulgados em breve pelo portal eletrônico do Ministério do Turismo.

MIL OSI

Moreira participa da assinatura do contrato de concessão da Cepisa

Source: Republic of Brazil 2

A venda da companhia faz parte do processo de privatização das distribuidoras da Eletrobras
Crédito: Saulo Cruz/MME

Foi assinado nesta quinta-feira (18) o Contrato de Concessão da Companhia Energética do Piauí (Cepisa) com a Equatorial Energia, empresa vencedora do leilão de privatização da companhia, realizado no dia 26 de julho, em São Paulo. O documento foi assinado entre o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Eletrica (Aneel), André Pepitone, e o presidente da Equatorial, Augusto Miranda, em cerimônia com a participação do Ministro de Minas e Energia (MME), Moreira Franco.A nova concessão da Cepisa, segundo o ministro, fixou um marco importante de segurança jurídica no atual processo de venda das distribuidoras da Eletrobras. Para Moreira “um valor extremamente importante, construído com muito esforço e determinação.”, disse. 
Saiba mais sobre o evento aqui.
Assessoria de Comunicação SocialMinistério de Minas e Energia(61) 2032-5620ascom@mme.gov.brwww.mme.gov.brwww.twitter.com/Minas_Energiawww.facebook.com/minaseenergia

MIL OSI

Baldy: “Expansão urbana não é só promover mais moradia, mas pensar em tudo que vem ao redor dessa infraestrutura”

Source: Republic of Brazil 2

Últimas notícias O ministro das Cidades, Alexandre Baldy, ao participar, nesta quinta-feira (18), do Fórum Mundial Niemeyer 2018, no Rio de Janeiro, disse “expansão urbana não é só promover mais moradia pela demanda, pelo déficit habitacional que é enorme, mas também pensar em tudo que vem ao redor dessa infraestrutura.”
Palestrante no painel “Demanda futura por moradia até 2040: Perspectivas e Desafios”, o ministro das Cidades considerou importante a realização do debate, em especial para os municípios e os gestores. “Para que haja uma maior proximidade em relação à realidade do desenvolvimento urbano”, explicou.
Na plenária, ele falou da dimensão das ações da Pasta nas áreas de Habitação, Saneamento, Desenvolvimento Urbano e Mobilidade e comparou à singularidade dos 5.570 municípios. “Temos diversos brasis, com disparidades enormes, desafios e gargalos homéricos”, prosseguiu.
Demanda – Sobre o déficit habitacional, uma demanda real da população, Baldy relatou que estudos indicam que são mais de R$ 70 bilhões em necessidades anuais para que, de fato, se consiga enfrentá-lo.
O ministro das Cidades também considera a questão da renda fundamental. E comentou: “Se avaliarmos nos próximos 10 anos todo esse déficit habitacional, precisaremos, segundo a base da renda das famílias brasileiras, em torno de 5,4 milhões de novas moradias para aquelas que recebem de um a três salários mínimos.”
Neste sentido, acredita que é preciso encontrar caminhos que visem à melhoria das condições econômicas, à recuperação econômica do Produto Interno Bruto (PIB) e à geração de empregos: “Para que consigamos melhorar a renda familiar e possamos promover investimentos suficientes, reduzindo, com isso, esse déficit”, ressaltou.
Debates – O Fórum Mundial Niemeyer 2018 foi organizado pelo Instituto Niemeyer de Políticas Urbanas, Científicas e Culturais, em parceria com o Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB-RJ) e Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU-RJ).
O evento teve como objetivo reunir a sociedade, instituições e organizações públicas e privadas de excelência no âmbito das atuais e futuras questões urbanas para discutir propostas, projetos e práticas efetivas para um mundo melhor, mais solidário e humano.

Assessoria de Comunicação SocialMinistério das Cidades

MIL OSI